Balanço de perda óptica

Ao projetar um link de fibra óptica, como assegurar que haverá luz suficiente para a aplicação funcionar? Ou então, após a instalação do link óptico, como assegurar que o material é de boa qualidade e que a mão de obra utilizada na instalação seguiu todas as recomendações e boas práticas?

Cada aplicação (ou protocolo físico de rede, como o Ethernet, por exemplo) para fibra óptica prevê uma atenuação (ou perda) máxima no canal para que funcione sem degradação de desempenho. Se a atenuação do canal passar do esperado, a taxa de erro de bit (BER) começa a aumentar, causando lentidões na rede e, eventualmente, queda da porta.

Cada componente óptico adquirido e instalado também deve possuir uma perda máxima esperada, definida em normas de cabeamento estruturado. Ao adquirir e instalar links ópticos, devemos saber qual é essa perda para depois podermos comparar com as medições realizadas no momento da certificação da rede. Se a perda medida for maior que o esperado, das duas uma: ou o material adquirido não é de boa procedência, ou a mão de obra utilizada na instalação não seguiu as recomendações normativas e dos respectivos fabricantes. Nesse caso, o link possivelmente não poderá receber a garantia estendida do fabricante.

É justamente para isso que existe o “balanço de perda óptica”, um cálculo do quanto de perda um link óptico deveria apresentar para assegurar a qualidade da instalação e o funcionamento da rede.

Saiba mais sobre o balanço de perda óptica e como realizar seu cálculo fazendo o novo curso rápido online SCE335. Ao final do curso, você poderá baixar um material de referência, realizar uma avaliação e, se for bem nessa avaliação, ainda receberá um certificado de conclusão!

Até a próxima!

Marcelo Barboza

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.