Como Analisar um Relatório de Certificação de Cabeamento UTP

Neste artigo, vamos falar sobre a aceitação de um relatório de teste de certificação de cabos de par trançado realizado com um DSX-5000 CableAnalyzer da série Versiv, da Fluke Networks. E não vamos falar do relatório inteiro, nem dos aspectos mais técnicos dos parâmetros de desempenho, como NEXT e Return Loss. Vamos nos ater apenas ao cabeçalho do relatório.

Você sabia que é possível aceitar ou rejeitar um teste apenas analisando o cabeçalho do relatório? Vamos analisar o cabeçalho do teste abaixo e tirar algumas conclusões. Mas, antes de continuar a ler o artigo, dê uma olhada e veja se consegue descobrir algumas “pegadinhas”.

 

Vemos que o teste foi realizado no enlace identificado como TO-001 no dia 25 de maio de 2018, pouco depois das 10 horas da manhã. Comece sua análise por aí. Esse dia e horário faz sentido para você, é um momento condizente com o andamento dos serviços contratados?

Mais abaixo, a “altura livre” nos mostra o quanto o teste superou (ou não, se for negativo) a norma escolhida como parâmetro para a certificação. No caso, superou a norma da ANSI/TIA em 4,1 dB, o que é bom, compatível com o “PASSA” no canto superior direito.

Mas logo a seguir vemos uma aparente inconsistência: a norma utilizada para o teste foi da TIA, tendo por base a Categoria 5e de componentes, no modelo “Permanent Link”, que testa a parte “permanente” da instalação, ou seja, entre o patch panel do rack e a tomada de telecomunicações da área de trabalho, o que está ok. Só que logo abaixo o cabo foi descrito como sendo “Cat 6”, ou seja, de uma categoria superior ao limite Cat. 5e da norma utilizada. Isto estará certo? Se os demais componentes do enlace também forem da Categoria 6, o correto seria ter escolhido a norma “TIA Cat 6 Perm. Link”. O teste realizado não conferiu todo o desempenho do cabo instalado. Isso seria justificado se o enlace mistura cabo Cat. 6 com componentes Cat. 5e, como tomadas e patch panels. É assim que está a instalação? Ou o instalador não fez o serviço corretamente e não consegue certificá-lo como Cat. 6 (que é mais exigente) e rebaixou o teste para Cat. 5e, tentando enganar o cliente? A verificar…

Agora, voltando à “altura livre” e ao “PASSA”, vemos que ele se aplica ao teste Categoria 5e, e não a um cabeamento Categoria 6… Será que se refizermos o teste em Cat. 6 ele passa? Apenas lembrando, um enlace Cat. 6 deve ser certificado a até 250 MHz, enquanto o Cat. 5e é testado até somente 100 MHz, bem abaixo da Cat. 6.

Ainda falando sobre o tipo informado de cabo, “Cat 6 U/UTP”: esse cabo não é blindado. Mas, será que o cabeamento instalado é esse mesmo? Se for blindado, sua blindagem deve ser verificada por continuidade. Como foi informado um cabo não blindado, o equipamento não testou a continuidade da blindagem. Verifique o tipo de cabo instalado. Um cabo blindado precisa ter sua blindagem contínua ao longo de todo o enlace de forma a garantir seu desempenho contra interferências eletromagnéticas. E essa continuidade não será verificada se o operador do equipamento não informar corretamente o tipo de cabo.

Agora, uma pegadinha! Vimos que esse teste recebeu um “PASSA”, mas se analisarmos mais abaixo no relatório, na parte de resultados detalhados, vemos que há um teste cujo valor aparece com um asterisco do lado direito: “NEXT (dB)     0,1*”. O que significa isso?

Isso significa que o pior resultado desse teste caiu dentro da margem de precisão do equipamento utilizado! O nome disso é “resultado marginal”. Como o teste passou, isso é um PASSA*. Se tivesse falhado, seria um FALHA*. Isso é grave? Não muito, mas um resultado marginal o torna muito perto do limite estabelecido pela norma utilizada. Se você espera um cabeamento “muito melhor que a norma”, então resultados marginais não são o ideal. Além disso, se você requisitar a garantia estendida do fabricante de cabeamento, pode ser que ele recuse.

Outra coisa: foi informado um cabo genérico, sem especificar fabricante e modelo. Isso garantiria o tipo da blindagem e o NVP declarado, no caso, 70%. Se o NVP não estiver correto, o comprimento medido pelo equipamento não será o real, podendo ser maior ou menor. Se essa informação for importante para você, peça para que o modelo de cabo correto seja informado (com blindagem e NVP corretos), e que os testes sejam refeitos!

O nome do operador informado é “Marcelo”. Será que foi ele quem realizou o teste? Esse campo é editável no software… O ideal é que o teste tenha sido realizado por um técnico certificado “Fluke CCTT – Certified Cabling Test Technician”, garantindo que todos os passos, desde a configuração do teste até a documentação dos resultados tenham sido realizados da melhor maneira possível, de acordo com as recomendações do fabricante do equipamento. Esse certificado tem validade de dois anos. Na dúvida, peça cópia do diploma do técnico que está operando o equipamento.

O software presente no equipamento de testes apresenta o firmware versão 5.3, enquanto a versão atual é 5.5. Isso não é crítico, mas convém estar com o equipamento sempre atualizado, de forma a realizar os testes mais correntes.

Outra informação crítica: a data de calibração dos módulos (28/out/2016) é mais de um ano anterior à data do teste (25/mai/2018). A Fluke recomenda calibração anual dos módulos para que eles continuem com a precisão garantida. É bom pedir que os equipamentos sejam calibrados na autorizada e depois que os testes sejam refeitos!

E temos ainda mais uma inconsistência: os adaptadores de link utilizados (“DSX-CHA004”) são apropriados para testes de “canal”, que incluem os patch cords em ambas as extremidades do enlace. E a norma utilizada foi a de “permanent link”, que não inclui os patch cords, sendo portanto mais exigente. O correto seria ter feito o teste com os adaptadores modelo DSX-PLA004.

Como vimos, em um simples cabeçalho de teste temos diversas informações importantes sobre a certificação. Saber analisar tais informações é crucial para termos a certeza de que nosso cabeamento foi corretamente testado, de acordo com nossa necessidade, com aquilo que contratamos, e com as recomendações de normas e fabricantes.

O tema abordado neste artigo é apenas um dos tópicos que fazem parte do curso Fluke CCTT – Certified Cabling Test Technician. Confira aqui a data e o local da próxima turma desse curso.

Se achou este post útil, compartilhe, encaminhe a alguém que também possa achá-lo útil.

Até a próxima!

Marcelo Barboza, RCDD, DCDC, NTS, ATS, DCS Design
Clarity Treinamentos
marcelo@claritytreinamentos.com.br