Blog

Cabos Submarinos de Fibra Óptica

Os cabos submarinos de fibra óptica são uma parte crucial da infraestrutura global de comunicações, permitindo a transmissão rápida e eficiente de dados através dos oceanos. Este artigo explora a história, a tecnologia e a importância crescente desses cabos.

O que são Cabos Submarinos de Fibra Óptica?

Um cabo submarino de fibra óptica é um cabo que é colocado no leito do mar entre estações terrestres para transportar sinais de telecomunicações através de trechos de oceano e mar. Os modernos cabos submarinos usam tecnologia de fibra óptica para transportar dados digitais, que incluem tráfego telefônico, Internet e dados privados.

História dos Cabos Submarinos

Os primeiros cabos submarinos de comunicações foram instalados a partir da década de 1850 e transportavam tráfego de telégrafo, estabelecendo as primeiras ligações de telecomunicações instantâneas entre continentes. Com o surgimento da tecnologia óptica na década de 1980, a comunicação de dados via cabos submarinos também migrou para a nova tecnologia, em 1988. Atualmente (início de 2024), há 574 cabos submarinos, dentre os ativos e os planejados, totalizando aproximadamente 1,4 milhões de quilômetros.

Como Funcionam os Cabos Submarinos de Fibra Óptica?

Os modernos cabos submarinos usam tecnologia de fibra óptica. Lasers em uma extremidade disparam a taxas extremamente rápidas por finas fibras de vidro para receptores na outra extremidade do cabo. Essas fibras de vidro são envolvidas em camadas de plástico (e às vezes fio de aço) para proteção.

Os cabos submarinos de fibra óptica são projetados para resistir a pressões de água de até 8.000m de profundidade e têm uma estrutura de altíssima confiabilidade. Em geral, a vida útil dos cabos submarinos de fibra óptica é de cerca de 25 anos. No entanto, eles geralmente são substituídos mais cedo porque os cabos mais novos podem fornecer mais capacidade a um custo comparável e se tornam caros para serem mantidos. Vale ressaltar que a vida útil pode variar dependendo de vários fatores, incluindo as condições do ambiente marinho e a manutenção do cabo.

Qual a Sua Composição?

Os cabos submarinos de fibra óptica são compostos por várias camadas para proteger as fibras de vidro, que são responsáveis pela transmissão dos dados. Aqui está uma descrição detalhada de sua composição:

Fonte: https://gizmodo.uol.com.br/google-cabo-submarino-brasil-2/
  1. Fibras de Vidro: São as responsáveis pela transmissão dos dados.
  2. Camadas de Proteção: As fibras de vidro são envoltas em diversas camadas de plástico e metais para sobreviver ao fundo do mar. Essas camadas incluem:
    • Vaselina: Usada para proteger o cabo contra a água do mar.
    • Cobre: Usado para fornecer energia aos repetidores ao longo do cabo.
    • Policarbonato: Oferece uma camada adicional de proteção.
    • Aço: Usado para dar força ao cabo.
    • Polietileno: Usado como a última camada de proteção.

Os cabos submarinos de fibra óptica são projetados para serem resistentes e duráveis, capazes de suportar as condições extremas do fundo do mar.

Quais os Desafios Enfrentados Pelos Cabos Submarinos de Fibra Óptica?

Os cabos submarinos de fibra óptica enfrentam vários desafios e problemas, incluindo:

  1. Danos Físicos: A atividade humana, principalmente a pesca e a ancoragem, é a maior causa de danos aos cabos submarinos. Barcos de pesca e navios arrastando âncoras enormes são responsáveis por dois terços dos problemas.
  2. Desastres Naturais: Terremotos, ciclones e até mesmo picadas de tubarão podem interferir nas operações dos cabos.
  3. Riscos de Segurança: A perspectiva de danos intencionais e maliciosos é grande, pois a quantidade de dados que atravessa os cabos transoceânicos continua a crescer e a dependência do armazenamento em nuvem aumenta.
  4. Riscos Cibernéticos: Com o aumento do risco geral de segurança cibernética, você pode ter cidadãos, empresas ou serviços públicos que podem ser vítimas de crimes cibernéticos, resgates ou roubo de dados.

Esses desafios destacam a importância de manter e proteger esses cabos, dada a sua importância para a infraestrutura global de comunicações.

Como é o Reparo dos Cabos Submarinos de Fibra Óptica?

O custo do reparo de um cabo submarino de fibra óptica danificado pode variar dependendo de vários fatores, incluindo a extensão do dano, a localização do cabo e as condições do mar. No entanto, é importante notar que o reparo de um cabo submarino é uma tarefa cara e complexa.

O processo de reparo envolve a remoção do cabo submarino do leito do mar, a identificação do local danificado, a substituição da seção danificada e a emenda do restante do cabo. Navios especiais equipados com equipamentos e equipes de reparo são necessários para realizar essas operações.

Fonte: https://bein.no/en/cable-repair-save-engineering-costs/

A maioria das empresas responsáveis por cabos submarinos somente faz manutenções do tipo quando é necessário, ou seja, quando algum problema grave é detectado. O motivo para isso é bastante simples: o custo envolvido nas operações faz com que elas precisem ser certeiras.

O tempo necessário para o reparo também pode variar. Pode levar até duas semanas para consertar o cabo, dependendo das condições climáticas e outros fatores.

Portanto, embora não seja possível fornecer um custo exato sem informações específicas, é seguro dizer que o reparo de um cabo submarino de fibra óptica danificado é uma operação cara e demorada.

A Importância dos Cabos Submarinos de Fibra Óptica

Os cabos submarinos de fibra óptica são responsáveis por mais de 99% da transmissão de dados entre os países e continentes. Eles são essenciais para as telecomunicações, sendo utilizados por diversas empresas de serviços em nuvem e companhias de streaming.

A capacidade dos cabos submarinos de fibra óptica pode variar dependendo do design e da tecnologia utilizada. No entanto, eles são capazes de transmitir volumes substanciais de dados de forma ágil e eficiente entre diferentes pontos. Por exemplo, o cabo submarino que liga o Brasil aos Estados Unidos, com uma extensão de mais de 18 mil quilômetros, tem uma capacidade de 160 Tbps, a maior para interconexão das Américas. Vale ressaltar que a capacidade pode ser afetada por vários fatores, incluindo a qualidade do sinal, a distância entre os amplificadores e a tecnologia de transmissão utilizada.

Crescimento da Utilização dos Cabos Submarinos de Fibra Óptica

A utilização de cabos submarinos de fibra óptica tem crescido significativamente ao longo dos anos. Em 1995, a distribuição entre a transmissão de dados de comunicações via cabos submarinos e satélite era de 50% para cada. Atualmente, essa relação é de 99% via cabos submarinos e 1% via satélites. A estimativa é que os investimentos no setor de cabos submarinos chegue a US$ 10 bilhões (mais de R$ 50 bilhões, no câmbio atual) entre 2022 e 2024.

As empresas que mais investem em cabos submarinos de fibra óptica incluem:

  1. Google: A gigante da tecnologia tem investido pesadamente em cabos submarinos para melhorar a infraestrutura da internet global.
  2. Facebook (agora Meta): A empresa tem feito investimentos significativos em cabos submarinos, incluindo o projeto 2Africa.
  3. Microsoft: A Microsoft é outra grande investidora em cabos submarinos, buscando melhorar a conectividade global.
  4. Amazon: A Amazon também tem investido em cabos submarinos para suportar suas operações globais.

Além dessas empresas, muitas operadoras de telecomunicações tradicionais, como AT&T, Telecom Italia Sparkle, Embratel, entre outras, também investem em cabos submarinos. Essas empresas geralmente formam consórcios para compartilhar os custos e os benefícios do uso dos cabos. Vale ressaltar que o cenário está em constante mudança, com novos participantes entrando no mercado e os existentes aumentando ou diminuindo seus investimentos.

Quais os Mais Recentes Cabos Submarinos de Fibra Óptica Que Aportaram no Brasil?

Os cabos submarinos de fibra óptica mais recentes que aportaram no Brasil incluem:

  1. Malbec: Este cabo faz ligação entre duas cidades do sudeste brasileiro (Rio de Janeiro e Praia Grande) e Las Toninas, que fica cerca de 330 km ao sul da capital argentina de Buenos Aires. O sistema foi inaugurado em 2021, e é gerido em um modelo de coparticipação entre a operadora telefônica GlobeNet e o Meta (Facebook).
  2. Junior: Este é um cabo construído pelo Google, no ano de 2018. Além de Santos, o Junior também chega ao Rio de Janeiro.
  3. Firmina: Este é o mais recente cabo a ser construído, conectando o Brasil aos Estados Unidos. Seu nome é uma homenagem à Maria Firmina dos Reis, considerada a primeira romancista brasileira. A previsão é que esteja pronto para serviço em 2024.
  4. EllaLink: Este cabo conecta a Europa (Portugal) ao Brasil. Foi ativado em junho de 2021.

Qual o Mais Longo Cabo Submarino de Fibra Óptica?

Atualmente, o cabo óptico submarino de maior extensão é o SeaMeWe-3, inaugurado em 1999. Ele se estende por aproximadamente 39.000 quilômetros, partindo do sudeste asiático, passando pelo Oriente Médio e chegando até a Europa, conectando 32 países. Esse cabo desempenha um papel crucial na interconexão global, permitindo a transmissão de dados em larga escala através dos oceanos.

O cabo submarino com uma das maiores quantidades de fibras ópticas é o EllaLink, que liga o Brasil à Europa, conectando a cidade de Fortaleza (CE) à cidade portuguesa de Sines. Este cabo tem uma extensão de 6.200 quilômetros., e estima-se que o EllaLink tenha uma capacidade inicial de transmissão de dados de até 400 gigabits por segundo. O projeto do EllaLink envolve um investimento total superior a 1 bilhão de reais.

Conclusão

Os cabos submarinos de fibra óptica desempenham um papel crucial na infraestrutura global de comunicações. Eles permitem a transmissão rápida e eficiente de dados através dos oceanos, conectando continentes e permitindo a comunicação global. Com o aumento da demanda por dados e a crescente dependência da internet, a importância dos cabos submarinos de fibra óptica só continuará a crescer.

Confinamento de Corredores em Data Centers: Uma Análise Um Pouco Mais Detalhada

O confinamento de corredores em data centers é uma estratégia que tem ganhado popularidade devido à sua capacidade de melhorar a eficiência dos sistemas de refrigeração. Este artigo explora o conceito de confinamento de corredores, seus benefícios, desafios e diferentes abordagens. Para uma introdução ao confinamento de corredores, leia meu artigo anterior sobre o assunto.

O que é Confinamento de Corredores?

O confinamento de corredores é a separação do ar frio de fornecimento do ar quente de exaustão dos equipamentos de TI. Isso permite uma temperatura de fornecimento uniforme e estável para a entrada dos equipamentos de TI e um retorno de ar mais quente e seco para a infraestrutura de refrigeração. Essa estratégia pode reduzir os custos operacionais, otimizar a eficácia do uso de energia e aumentar a capacidade de refrigeração.

Benefícios do Confinamento de Corredores

O confinamento de corredores pode proporcionar uma série de benefícios, incluindo a redução do consumo de energia, aumento da capacidade de refrigeração, estabilização da temperatura de fornecimento para a entrada de TI, disponibilização de mais capacidade de energia para equipamentos de TI, aumento do tempo de atividade e prolongamento do ciclo de vida dos ativos de TI.

Tipos de Confinamento de Corredores

Existem principalmente dois tipos de confinamento de corredores em data centers: confinamento de corredor quente e confinamento de corredor frio.

Confinamento de Corredor Quente

O confinamento de corredor quente envolve o fechamento do corredor quente, permitindo que o ar frio inunde o restante do espaço do data center. Isso pode ser alcançado através de estratégias como piso elevado, dutos suspensos ou simplesmente inundando o data center com ar frio. Uma vantagem única do confinamento de corredor quente é sua capacidade de oferecer um acúmulo térmico, permitindo que o data center mantenha a estabilidade durante curtos períodos de falhas no sistema de refrigeração.

Confinamento de Corredor Frio

No confinamento de corredor frio, o ar frio é confinado no corredor, permitindo que o restante do data center se torne um grande plenum de retorno de ar quente. Esse confinamento envolve uma barreira física que permite que o ar de fornecimento flua para dentro do corredor frio.

Tipos de Abordagens

Existem várias abordagens para o confinamento de corredores em data centers, além do confinamento de corredor quente e frio. Seguem alguns exemplos:

  1. Sistema de Cortina/Contenção Suave: Este sistema usa cortinas de plástico flexíveis para separar o ar quente do ar frio. É uma solução de baixo custo e fácil de instalar, mas pode não ser tão eficaz quanto outras abordagens.
  2. Sistemas Modulares: Estes são sistemas de contenção pré-fabricados que podem ser facilmente instalados em um data center existente. Eles são mais caros do que os sistemas de cortina, mas oferecem melhor controle sobre o fluxo de ar.
  3. Painéis de Contenção: Estes são painéis rígidos que são instalados no final dos corredores para conter o ar. Eles são mais eficazes do que as cortinas, mas também são mais caros e podem ser mais difíceis de instalar.
  4. Sistemas de Teto de Contenção: Estes são sistemas que usam um teto falso para conter o ar. Eles são muito eficazes, mas também são os mais caros e podem exigir modificações significativas no data center.
Sistema de cortina

Desafios do Confinamento de Corredores

Embora o confinamento de corredores ofereça vários benefícios, também apresenta alguns desafios. Por exemplo, o confinamento de corredor quente geralmente é mais caro, pois requer um caminho contido para o fluxo de ar do corredor quente até as unidades de refrigeração. Além disso, o confinamento de corredor quente normalmente se junta ao teto onde a supressão de incêndio é instalada, o que pode afetar a operação normal de um sistema de supressão de incêndio de grade padrão se o espaço não for bem projetado.

O confinamento de corredor frio tem se tornado cada vez mais popular e eficaz como solução de resfriamento para data centers. Isso ocorre porque o confinamento de corredor frio é frequentemente usado em ambientes onde o ar frio é gerado fora da área de contenção e trazido por meio de um piso elevado. A maioria dos data centers existentes emprega esse tipo de sistema de resfriamento, que pode ser adaptado para o confinamento de corredor frio com impacto mínimo nas operações.

No entanto, a escolha do tipo de confinamento mais adequado pode variar dependendo das necessidades específicas de cada data center. Portanto, não há uma abordagem única que seja a mais eficaz para todos os data centers. É recomendável consultar um especialista em data center para determinar a melhor abordagem para um data center específico.

Conclusão

O confinamento de corredores em data centers é uma estratégia eficaz para otimizar as operações do data center, reduzindo a mistura de ar frio e quente. Ele oferece vários benefícios, incluindo redução do consumo de energia, aumento da capacidade de resfriamento e prolongamento do ciclo de vida dos ativos de TI. No entanto, também apresenta desafios que devem ser considerados. Com as crescentes demandas de energia e a necessidade de reduzir o impacto ambiental, o confinamento de corredores se tornará cada vez mais importante na gestão de data centers.

Refrigeração Líquida em Data Centers

A refrigeração líquida está se tornando cada vez mais relevante no cenário de data centers devido ao aumento da densidade de energia e à necessidade de soluções de resfriamento mais eficientes. Neste artigo expomos alguns pontos chaves sobre a refrigeração líquida em data centers.

Aumento da Densidade de Energia

Com o rápido crescimento da inteligência artificial (IA) e do aprendizado de máquina, a densidade de energia nos data centers está aumentando Unidades de processamento gráfico (GPUs), que são comumente usadas para acelerar essas aplicações, são extremamente poderosas e geram muito calor. Isso está levando a um aumento na demanda por soluções de refrigeração mais eficientes.

Refrigeração Líquida X Refrigeração a Ar

Tradicionalmente, a refrigeração a ar tem sido a principal forma de resfriamento em data centers. No entanto, à medida em que a densidade de energia aumenta, a refrigeração a ar está se tornando menos eficiente. A refrigeração líquida, por outro lado, é capaz de absorver e transportar calor mais eficientemente do que o ar.

A refrigeração líquida é geralmente mais eficiente do que a refrigeração a ar em termos de eficiência energética. Isso se deve a várias razões, tais como:

Menor resistência térmica: A água tem uma resistência térmica muito menor do que o ar, o que significa que ela pode absorver e transportar calor mais eficientemente.

Maior densidade de energia: A refrigeração líquida pode suportar uma maior densidade de energia, o que é particularmente útil para aplicações de alto desempenho, como IA e aprendizado de máquina.

Exemplo de refrigeração líquida disponível no Brasil – visite o site do representante da solução

Inovações na Refrigeração Líquida

Várias empresas estão inovando no espaço de refrigeração líquida. Por exemplo, a CoolIT Systems garantiu novos fundos para expandir sua capacidade de produção de equipamentos de refrigeração líquida. Além disso, a Lenovo está investindo no desenvolvimento de vários designs de refrigeração líquida, esperando que mais clientes os utilizem.

Grandes empresas como Google e Lenovo já estão adotando a refrigeração líquida em seus data centers. O Google introduziu a refrigeração líquida em seus data centers para resfriar seus mais recentes processadores que sustentam as capacidades de IA. A Lenovo também está mirando novos designs de refrigeração líquida em data centers convencionais.

Custos da Refrigeração Líquida

A refrigeração líquida pode representar um custo inicial mais alto em comparação com a refrigeração a ar devido à complexidade do sistema e à necessidade de componentes adicionais. No entanto, a longo prazo, a refrigeração líquida pode ser mais econômica.

De acordo com a ASHRAE, a refrigeração líquida em data centers pode melhorar o custo total de propriedade por meio de maior densidade, maior uso de resfriamento gratuito e melhor desempenho por watt. Isso significa que, embora o custo inicial possa ser maior, a eficiência energética melhorada e a capacidade de suportar cargas de trabalho de maior densidade podem resultar em economias significativas ao longo do tempo.

Além disso, estima-se que aproximadamente 40% da energia consumida em um centro de dados seja destinada aos sistemas de refrigeração. Portanto, qualquer melhoria na eficiência da refrigeração pode ter um impacto significativo nos custos operacionais de um data center.

No entanto, o custo exato pode variar dependendo de vários fatores, incluindo o design específico do data center, a localização geográfica, os preços locais de energia e a eficiência do equipamento de refrigeração. Portanto, é importante realizar uma análise de custo-benefício detalhada antes de decidir entre a refrigeração a ar e a refrigeração líquida.

Vantagens e Desvantagens da Refrigeração Líquida

Vantagens:

  • Maior eficiência energética: A refrigeração líquida é capaz de absorver e transportar calor mais eficientemente do que o ar, o que pode resultar em economias significativas de energia a longo prazo.
  • Capacidade de suportar maior densidade de energia: A refrigeração líquida é capaz de suportar cargas de trabalho de maior densidade, como aquelas que envolvem o uso intensivo de GPUs.

Desvantagens:

  • Custo inicial mais alto: A refrigeração líquida pode ter um custo inicial mais alto devido à complexidade do sistema e à necessidade de componentes adicionais.
  • Necessidade de equipamentos específicos: Para que a refrigeração líquida seja eficaz, é necessário que os dispositivos de TI sejam compatíveis com essa tecnologia.

É importante notar que a escolha entre refrigeração a ar e refrigeração líquida depende de vários fatores, incluindo o design específico do data center, a localização geográfica, os preços locais de energia e a eficiência do equipamento de refrigeração. Portanto, é recomendável realizar uma análise de custo-benefício detalhada antes de decidir entre essas duas opções.


HD SSD Kingston SA400S37 480GB

Capacidade: 480 GB
Conectividade: SATA
Fator de forma: 2,5 Polegadas
Dispositivos compatíveis: Notebook
Velocidade de leitura: 500 MB/s
Peso do produto: 60 g
Avaliação 4,8 – Escolha da Amazon para SSD


O Futuro da Refrigeração Líquida

A refrigeração líquida está preparada para se tornar mais comum em data centers no futuro. Com o aumento da densidade de energia e a necessidade de soluções de resfriamento mais eficientes, a refrigeração líquida provavelmente se tornará uma parte integral dos data centers.

Em resumo, a refrigeração líquida está se tornando uma parte cada vez mais importante do cenário de data centers. Com o aumento da densidade de energia e a necessidade de soluções de resfriamento mais eficientes, é provável que vejamos um aumento na adoção da refrigeração líquida nos próximos anos. A previsão é que o mercado de refrigeração líquida alcance os US$ 8 bilhões até 2028, crescendo a um ritmo de mais de 24% ao ano.

Até a próxima!

Marcelo Barboza, RCDD, DCDC, ATS, DCS Design, Assessor CEEDA
Clarity Treinamentos
marcelo@claritytreinamentos.com.br

Sobre o autor
Marcelo Barboza, instrutor da área de cabeamento estruturado desde 2001, formado pelo Mackenzie, possui mais de 30 anos de experiência em TI, membro das comissões de estudos sobre cabeamento estruturado e de infraestrutura de data centers da ABNT, certificado pela BICSI (RCDD e DCDC), Uptime Institute (ATS) e DCPro (Data Center Specialist – Design). Instrutor autorizado para cursos selecionados da DCD Academy, Fluke Networks, Panduit e Clarity Treinamentos. Assessor para o selo de eficiência para data centers – CEEDA.

Normas Para Cabeamento Estruturado

Este artigo tem o objetivo de relacionar todas as normas diretamente relacionadas ao mundo do Cabeamento Estruturado. Aqui estão relacionadas normas de cabeamento estruturado nacionais (ABNT), internacionais (ISO) e norte-americanas. Estas listas são periodicamente revisadas, mas se você constatar que tem alguma norma desatualizada, por favor envie um e-mail para o autor para que ele possa atualizar esta lista (marcelo@claritytreinamentos.com.br)

Normas brasileiras

  • ABNT NBR 14565:2019 – Cabeamento estruturado para edifícios comerciais (baseada na ISO/IEC 11801-1)
  • ABNT NBR 14703:2012 – Cabos de telemática de 100 Ω para redes internas estruturadas – Especificação
  • ABNT NBR 14705:2010 – Cabos internos para telecomunicações – Classificação quanto ao comportamento frente à chama
  • ABNT NBR 16264:2016 – Cabeamento estruturado residencial (baseada na ISO/IEC 15018)
  • ABNT NBR 16415:2021 – Caminhos e espaços para cabeamento estruturado (baseada na ISO/IEC 14763-2 e ISO/IEC 18010)
  • ABNT NBR 16521:2016 – Cabeamento estruturado industrial (baseada na ISO/IEC 24702)
  • ABNT NBR 16665:2019 – Cabeamento estruturado para data centers (baseada na ISO/IEC 11801-5)
  • ABNT NBR 16869-1:2020 – Cabeamento estruturado – Parte 1: Requisitos para planejamento (baseada na ISO/IEC 14763-2)
  • ABNT NBR 16869-2:2021 – Cabeamento estruturado – Parte 2: Ensaio do cabeamento óptico (baseada na ISO/IEC 14763-3) | ver artigo sobre seu lançamento
  • ABNT NBR 16869-3:2022 – Cabeamento estruturado – Parte 3: Configurações e ensaios de enlaces ponto a ponto, enlaces terminados com plugues modulares e cabeamento de conexão direta (baseada na ISO/IEC 11801-3, ISO/IEC TR 11801 partes 9902, 9903, 9907 e 9910, ISO/IEC 14763-4)
  • ABNT NBR 16869-4:2023 – Cabeamento estruturado – Parte 4: Sistema automatizado de gerenciamento da infraestrutura de telecomunicações, redes e TI (baseada na ISO/IEC 18598)
  • ABNT NBR 16869-5 – Cabeamento estruturado – Parte 5: (esta parte será sobre especificação e ensaios em redes ópticas passivas locais; ela ainda está sendo desenvolvida; expectativa de publicação para 2024)
  • ABNT NBR 17040:2022 – Equipotencialização da infraestrutura de cabeamento para telecomunicações e cabeamento estruturado em edifícios e outras estruturas (baseada na ISO/IEC 30129)



Livro recomendado:
Cabeamento Estruturado, por Dr. Paulo Marin.


Normas internacionais

  • ISO/IEC 11801 – Information technology – Generic cabling for customer premises
    • ISO/IEC 11801-1:2017 – General requirements
    • ISO/IEC 11801-2:2017 – Office premises
    • ISO/IEC 11801-3:2017 – Industrial premises (substituiu a ISO/IEC 24702)
    • ISO/IEC 11801-4:2017 – Single-tenant homes (substituiu a ISO/IEC 15018)
    • ISO/IEC 11801-5:2017 – Data centres (substituiu a ISO/IEC 24764)
    • ISO/IEC 11801-6:2017 – Distributed building services (incorpora a ISO/IEC TR 24704)
    • ISO/IEC TR 11801-9902:2017 – Specifications for End-to-end link configurations
    • ISO/IEC TR 11801-9907:2019 – Specifications for direct attach cabling
    • ISO/IEC TR 11801-9910:2020 – Specifications for modular plug terminated link cabling
  • ISO/IEC 14763 – Information technology – Implementation and operation of customer premises cabling
    • ISO/IEC 14763-2:2019 – Planning and installation (substitui a ISO/IEC 18010 e a ISO/IEC 14763-1)
    • ISO/IEC 14763-3:2014 – Testing of optical fibre cabling
    • ISO/IEC 14763-4:2021 – Measurement of end-to-end (E2E)-Links
  • ISO/IEC 18598:2016 – Information technology – Automated infrastructure management (AIM) systems – Requirements, data exchange and applications
  • ISO/IEC 30129:2015 – Information technology – Telecommunications bonding networks for buildings and other structures


Normas norte-americanas

  • ANSI/TIA-568 (ver artigo sobre lançamento da revisão D da 568)
    • ANSI/TIA-568.0-D – Generic Telecommunications Cabling for Customer Premises
    • ANSI/TIA-568.1-D – Commercial Building Telecommunications Infrastructure Standard
    • ANSI/TIA-568.2-D – Balanced Twisted-Pair Telecommunications Cabling And Components Standard
    • ANSI/TIA-568.3-D – Optical Fiber Cabling And Components Standard
    • ANSI/TIA-568.4-D – Broadband Coaxial Cabling And Components Standard
    • A ser desenvolvida: ANSI/TIA-568.5 – Single Balanced Twisted-Pair Cabling and Components Standard
  • ANSI/TIA-569-E – Telecommunications Pathways and Spaces
  • ANSI/TIA-570-C – Residential Telecommunications Infrastructure Standard
  • ANSI/TIA-606-C – Administration Standard for Telecommunications Infrastructure
  • ANSI/TIA-607-C – Generic Telecommunications Bonding and Grounding for Customer Premises
  • ANSI/TIA-758-B – Customer-Owned Outside Plant Telecommunications Infrastructure Standard
  • ANSI/TIA-862-B – Structured Cabling Infrastructure Standard for Intelligent Building Systems
  • ANSI/TIA-942-B – Telecommunications Infrastructure Standard for Data Centers
  • ANSI/TIA-1005-A – Telecommunications Infrastructure Standard for Industrial Premises
  • ANSI/TIA-1152-A – Requirements for Field Test Instruments and Measurements for Balanced Twisted-Pair Cabling
  • ANSI/TIA-1179-A – Healthcare Facility Telecommunications Infrastructure Standard
  • ANSI/TIA-4966 – Telecommunications Infrastructure Standard for Educational Facilities


Aproveite e aprenda muito sobre cabeamento estruturado com este livro que aborda o conceito e os subsistemas de cabeamento estruturado, a normalização, os meios de transmissão, os espaços de telecomunicações e redes, as práticas de instalação, certificação e testes do cabeamento instalado:

Para saber mais sobre algumas das normas relacionadas acima, assista os vídeos a seguir.

Até a próxima!

Marcelo Barboza, RCDD, DCDC, ATS, DCS Design, Assessor CEEDA
Clarity Treinamentos
marcelo@claritytreinamentos.com.br

Sobre o autor
Marcelo Barboza, instrutor da área de cabeamento estruturado desde 2001, formado pelo Mackenzie, possui mais de 30 anos de experiência em TI, membro da BICSI e das comissões de estudos sobre cabeamento estruturado e de infraestrutura de data centers da ABNT, certificado pela BICSI (RCDD e DCDC), Uptime Institute (ATS) e DCPro (Data Center Specialist – Design). Instrutor autorizado para cursos selecionados da DCProfessional, Fluke Networks, Panduit e Clarity Treinamentos. Assessor para o selo de eficiência para data centers – CEEDA.

Publicada a norma nacional de testes em cabeamento óptico

Introdução

As fibras ópticas estão sendo cada vez mais utilizadas em redes de dados, tanto em data centers, quanto em redes de acesso dos assinantes de serviços públicos de telecomunicações (como o FTTx). Elas oferecem maior largura de banda, além de serem mais compactas do que os cabos com condutores metálicos e não sofrerem ou causarem interferência eletromagnética.

Só que há a necessidade de se testar esses enlaces ópticos, principalmente após sua instalação, pois durante a implantação, seus componentes são submetidos a vários procedimentos que podem comprometer seu desempenho, tais como: tração, curvatura e torção dos cabos ópticos; emendas das fibras; confecção de conectores ópticos; conexão de patch cords em cross-connects.

Durante a implantação, tais procedimentos podem levar à degradação do desempenho do enlace devido a diversos fatores decorrentes. Exemplos: macrocurvaturas; rompimento das fibras; emendas defeituosas; conectores trincados ou sujos etc.

Normas de testes de fibra óptica

Portanto, para termos certeza de que, tanto o material utilizado no projeto, quanto as técnicas utilizadas em sua instalação, atendem às melhores especificações de qualidade, possuindo desempenho suficiente para permitir todo o tráfego de dados esperado ao longo da vida útil do enlace óptico, temos que testá-lo utilizando as ferramentas, equipamentos e procedimentos corretos.

A questão é que as normas nacionais até então existentes somente especificavam técnicas de ensaio para componentes (somente cabo, somente fibra, somente emenda, ou somente conexões). Como exemplos, podemos citar normas para ensaios de: impacto, sensibilidade à curvatura, abrasão e ciclo térmico de cabos ópticos; durabilidade e estabilidade de conectores e adaptadores; determinação de perda na emenda etc.

Mas não havia uma norma que estabelecia as bases para o teste de enlaces ópticos inteiros, instalados, já contendo uma coleção de componentes encadeados, como cabos, emendas, conectores e patch cords.

Só que agora já temos essa norma! É a NBR 16869-2 – Cabeamento estruturado – Parte 2: Ensaio do cabeamento óptico, publicada em 12/04/2021. Ela foi resultado do trabalho da comissão de estudos CE-003:046.005, pertencente ao Comitê Brasileiro de Eletricidade (COBEI), ligado à ABNT. Esta norma, em grande parte, segue as orientações das revisões mais recentes das normas internacionais ISO/IEC 14763-3 (Information technology – Implementation and operation of customer premises cabling – Part 3: Testing of optical fibre cabling) e IEC 61280-4-1 (Fibre-optic communication subsystem test procedures – Part 4-1: Installed cabling plant – Multimode attenuation measurement).

Siga este link (https://www.abntcatalogo.com.br/norma.aspx?ID=465992) para adquirir a norma ou ver mais detalhes. Para saber quais são as normas mais relevantes no âmbito do cabeamento estruturado, leia este artigo.

A NBR 16869-2

A NBR 16869-2 descreve equipamentos, ferramentas e procedimentos que devem ser utilizados, como mínimo, para a execução de testes em enlaces instalados de fibra óptica monomodo e multimodo. São eles: kits de limpeza de faces de conectores; microscópio para inspeção da face de conectores; LSPM; OTDR; respectivos acessórios.

Ensaio do cabeamento de acordo com a NBR 16869-2

Esta norma complementa as demais normas nacionais que tratam do projeto de sistemas de cabeamento estruturado em fibra óptica, que são as ABNT NBR 14565, ABNT NBR 16264, ABNT NBR 16521 e ABNT NBR 16665.

Existe ainda a NBR 16869-1, que trata sobre os requisitos para o planejamento de sistemas de cabeamento estruturado. Esta é uma norma recente, publicada em julho de 2020, e que possivelmente será tema de outro artigo do blog. E a NBR 16415, que trata dos caminhos e espaços para cabeamento estruturado.

O vídeo a seguir fala sobre a publicação da norma NBR 16869-2.

Inspeção e limpeza

A norma descreve ferramentas e procedimentos mínimos a serem adotados para inspecionar e limpar a face de conectores ópticos. Os conectores estão presentes nas terminações dos cabos e dos patch cords ópticos, mas também estão presentes nas portas dos equipamentos de rede e dos próprios equipamentos de teste, além de fazerem parte dos cordões e fibras de lançamento que estarão inclusos nos procedimentos de ensaio.

A norma frisa a importância de se inspecionar e, se for o caso, limpar as interfaces das fibras ópticas que farão parte dos testes antes que qualquer processo de medição e de referência seja executado. Ela define requisitos mínimos do microscópio a ser usado na inspeção da face dos conectores, bem como a norma internacional de referência sobre o assunto.

Como parte da certificação de um enlace óptico instalado, a norma define os seguintes tipos de inspeção sobre o cabeamento instalado:

  • Continuidade da fibra óptica: para verificar se as fibras são íntegras de uma extremidade a outra do enlace;
  • Polaridade da instalação óptica: para verificar se cada fibra conecta as portas correspondentes em ambas as extremidades, sem inversões;
  • Comprimento do cabo óptico: pode ser verificado visualmente pelas marcações de capa ou com o auxílio de equipamentos de medição (como um OTDR);
  • Inspeção das faces dos conectores: como já comentado neste artigo;
  • Dimensão do núcleo da fibra óptica: verificação das dimensões do núcleo em relação à casca da fibra nas terminações ópticas.

Veja no vídeo a seguir o que pode acontecer se a inspeção e a limpeza não forem realizadas corretamente.

LSPM

O LSPM nada mais é do que o popularmente conhecido “power meter”. A sigla significa “Light Source and Power Meter”, a combinação entre a “fonte de luz” (necessária para acoplar luz na fibra a ser testada) e o “power meter” (o medidor de potência óptica, em si). Equipamentos LSPM, como mínimo, permitem medir a atenuação (perda) do enlace óptico completo.

A norma define os procedimentos para medição da atenuação do enlace, os comprimentos de onda de trabalho do LSPM, o nível de precisão do equipamento, além de demais requisitos, como sua calibração e especificações dos cordões de ensaio, por exemplo.

Um detalhe a observar, muito importante, por sinal, e coberto pela norma, é o método de referência a ser utilizado ao se configurar o LSPM antes dos testes. A norma define quatro métodos de referência, a saber:

  1. Um cordão
  2. Dois cordões
  3. Três cordões
  4. Cordão do equipamento

A diferença entre esses quatro métodos é a inclusão ou não da atenuação dos conectores que estão nas extremidades do enlace a ser testado.

Um dos modelos de referência

Estes vídeos exploram alguns detalhes dos testes realizados com LSPM.

OTDR

O OTDR (Optical Time Domain Reflectometer) é um equipamento que consegue medir parâmetros tais como atenuação, perda de retorno, atraso de propagação e comprimento da fibra. Ele pode realizar testes tanto do enlace completo quanto de seus componentes individuais, como trechos de fibra, emendas, conexões e dobras na fibra. Portanto, além de apenas ser utilizado para testes de aceitação do enlace, também é bastante útil no diagnóstico em instalações com falhas.

A norma define os procedimentos para os testes de enlace completo e de componente, os comprimentos de onda de trabalho do OTDR, e a forma recomendada de utilização das fibras de lançamento e fibras terminais durante os testes. Essas fibras de lançamento também têm suas características mínimas definidas nessa norma. Uma dessas características, imprescindível, é a que possuam comprimento superior à atenuação da zona morta do OTDR utilizado.

Exemplo de medição com OTDR

Para a inclusão de todas as conexões na medição realizada pelo OTDR, é necessária a utilização de fibras de lançamento no início e no final do enlace a ser testado. A norma explica a importância da utilização dessas fibras de lançamento, assim como detalha os aspectos a serem levados em consideração.

Estes vídeos explicam alguns aspectos dos testes com OTDR.

Outros tópicos

Além dos equipamentos e procedimentos já citados, a norma também dá recomendações com relação aos seguintes assuntos: calibração dos instrumentos; documentação dos testes realizados nos enlaces; fibras de lançamento; cálculo do balanço de perda.

A norma também tece considerações sobre testes unidirecionais e bidirecionais, tratamento e interpretação dos resultados, e fatores de incerteza na medição com LSPM e OTDR.

Os quatro métodos de referência de cordões usados com LSPM são explicados em detalhes nos anexos da norma. Há também anexos informativo sobre os detalhes mais técnicos de operação de um OTDR.

E por último, mas não menos importante, um anexo trás quatro exemplos de cálculo do balanço de perda de potência óptica. A atenuação do enlace óptico, medida por LSPM ou OTDR, deve ser comparada com o resultado deste cálculo, que servirá de parâmetro para aceitação da instalação.

No site da Clarity Treinamentos há uma calculadora online gratuita que ajuda o projetista ou instalador a realizar esse cálculo: https://www.claritytreinamentos.com.br/balanco-de-perda-optica/ . O vídeo a seguir também detalha a realização desse cálculo.

A atenuação medida também deve ser comparada com a perda máxima permitida para a tecnologia de rede que se pretende usar no enlace. Para conhecer os requisitos das tecnologias Ethernet, consulte estas tabelas, que cobrem desde 10 Mb/s até 400 Gb/s.

Conclusão

Agora já temos uma norma que define os procedimentos de testes para enlaces instalados em fibra óptica. Cabe agora aos profissionais da área se atualizarem e se apropriarem de seu conteúdo, de forma a entregarem instalações de fibra óptica com mais qualidade e garantia de desempenho.

Se achou este post útil, compartilhe, encaminhe a alguém que também possa achá-lo útil. Não deixe de se inscrever em meu canal do YouTube! Participe de meu grupo do Whatsapp e receba as novidades sobre meus artigos, vídeos e cursos. E curta minha página no Facebook!

Até a próxima!

Marcelo Barboza, RCDD, DCDC, ATS, DCS Design, Assessor CEEDA
Clarity Treinamentos
marcelo@claritytreinamentos.com.br

Sobre o autor
Marcelo Barboza, instrutor da área de cabeamento estruturado desde 2001, formado pelo Mackenzie, possui mais de 30 anos de experiência em TI, membro da BICSI e das comissões de estudos sobre cabeamento estruturado e de infraestrutura de data centers da ABNT, certificado pela BICSI (RCDD e DCDC), Uptime Institute (ATS) e DCPro (Data Center Specialist – Design). Instrutor autorizado para cursos selecionados da DCProfessional, Fluke Networks, Panduit e Clarity Treinamentos. Assessor para o selo de eficiência para data centers – CEEDA.

Confinamento de Corredores em Data Centers

Introdução ao confinamento

Em meu artigo anterior, mostrei a importância de uma boa gestão do fluxo de ar na refrigeração dos computadores de um data center. É uma boa ideia ler aquele artigo antes deste, pois lá explico os três principais problemas na gestão do fluxo de ar: ar frio desviado, recirculação do ar quente e pressão negativa. Neste artigo, vamos rever esses problemas e apresentar as soluções de confinamento de corredores, que complementam as práticas mostradas no artigo citado.

Vamos recordar esses principais problemas com a seguinte figura:

Problemas na gestão do fluxo de ar em data centers

É necessário evitarmos esses problemas com medidas tais como:

  • Fechar as posições de rack não utilizadas com tampas cegas
  • Não deixar espaços entre os racks da fileira
  • Selar as passagens de dutos e cabos que atravessam o pleno de fornecimento de ar frio (geralmente, o piso elevado)
  • Não colocar saídas de ar frio em locais que não sejam os corredores frios

Mesmo com todas essas medidas, ainda há locais por onde o ar frio ou o ar quente consegue escapar de seu corredor e acaba ocorrendo a mistura indesejada do ar quente com o frio: pelo topo e pelo final dos corredores, onde indicado pelas setas amarelas na figura abaixo.

É aí que entra a solução do “confinamento de corredores”, visando fechar esses dois locais (topo e final de corredores), evitando a mistura do ar quente com o frio. Podemos confinar o corredor quente ou o frio, usando anteparos sobre os racks e portas ao final dos corredores.

Confinamento do corredor frio

Ao confinar o corredor frio, evitamos que o ar resfriado fornecido pelo CRAC se desvie por qualquer outro lugar. A única maneira de ele retornar ao CRAC é passando através dos computadores instalados nos racks. É claro que precisamos fechar quaisquer outros potenciais “buracos” por onde o ar poderia sair.

Confinamento do corredor frio

Principais características dessa solução:

  • Menos volume de ar frio
  • O resto da sala é quente, o que poderia ser um problema para a instalação de equipamentos “stand alone” (fora de rack ou “de piso”), pois poderiam sobreaquecer
  • Maior uniformidade na temperatura do corredor frio
  • É mais fácil de ser aplicada quando os racks são padronizados

Cuidado para não pressurizar demais o corredor frio, senão o ar acaba se “desviando” por dentro dos computadores, ou seja, passa através deles mesmo não havendo muita necessidade.

Confinamento do corredor quente

Nesta solução, evitamos que o ar quente retorne aos computadores criando um “duto” entre o corredor quente e o retorno do CRAC. Esse retorno pode ser dutado ou através do plenum formado pelo forro. Na figura abaixo, o suprimento de ar frio não precisaria ser feito por sob o piso elevado, poderia também ser feito pelo ambiente.

Confinamento do corredor quente

Principais características dessa solução:

  • Maior volume de ar frio (o restante da sala)
  • O resto da sala é fria, permitindo a instalação de equipamentos “stand alone” sem problema de superaquecimento
  • O corredor quente fica muito quente, potencialmente levando a problemas de saúde ocupacional se alguém precisasse ficar muito tempo ali, pois esse corredor pode facilmente passar dos 40 °C
  • É mais fácil de ser aplicada quando os racks são padronizados

Rack chaminé

Esta é uma outra forma de confinamento do corredor quente, só que sem a criação do corredor quente em si. Cada rack confina seu próprio ar quente, possuindo portas traseiras seladas e uma chaminé que permite o retorno do ar quente ao CRAC através de dutos ou do plenum superior.

Rack chaminé

Principais características dessa solução:

  • Não tem corredor quente, evitando problemas de salubridade para quem precisar ficar atrás dos racks por muito tempo
  • O resto da sala é fria
  • Layout mais flexível, não necessitando a criação de corredores paralelos
  • Exige racks apropriados para tal solução, mas não precisam ser todos iguais

Conclusão

Existem diversas alternativas para a implementação do confinamento de corredores. Cada uma delas tem suas características, vantagens e desvantagens. De qualquer forma, implantar o confinamento é melhor do que não fazê-lo, qualquer que seja a solução adotada. Só não podemos descuidar dos demais pontos de atenção com relação à gestão do fluxo de ar, como detalhados no artigo citado no início deste.

Para saber mais, assista meu vídeo sobre confinamento de corredores:

Se achou este post útil, compartilhe, encaminhe a alguém que também possa achá-lo útil. Não deixe de se inscrever em meu canal do YouTube! Participe de meu grupo do Whatsapp e receba as novidades sobre meus artigos, vídeos e cursos. E curta minha página no Facebook!

Até a próxima!

Marcelo Barboza, RCDD, DCDC, ATS, DCS Design, Assessor CEEDA
Clarity Treinamentos
marcelo@claritytreinamentos.com.br

Sobre o autor
Marcelo Barboza, instrutor da área de cabeamento estruturado desde 2001, formado pelo Mackenzie, possui mais de 30 anos de experiência em TI, membro da BICSI e da comissão de estudos sobre cabeamento estruturado da ABNT/COBEI, certificado pela BICSI (RCDD e DCDC), Uptime Institute (ATS) e DCPro (Data Center Specialist – Design). Instrutor autorizado para cursos selecionados da DCProfessional, Fluke Networks, Panduit e Clarity Treinamentos. Assessor para o selo de eficiência para data centers – CEEDA.

Fluxo do Ar de Refrigeração em Data Centers

Introdução

Um data center é um ambiente de missão crítica bastante complexo, e que apresenta diversas particularidades. Neste artigo, trataremos sobre um problema bastante específico a esse tipo de ambiente: fluxo de ar para a refrigeração dos equipamentos de TI.

Todo equipamento de TI (como servidores, dispositivos de armazenamento e de comunicação), que tratarei neste artigo simplesmente por “computador”, precisa ser refrigerado, pois durante sua operação ele esquenta. Se não removermos o excesso de calor, o computador pode falhar ou desligar automaticamente, causando prejuízos aos serviços prestados pelo data center.

Para a refrigeração dos computadores, os data centers contam com máquinas de ar-condicionado de diferentes tecnologias e capacidades. Não vamos entrar em detalhes, aqui, sobre as máquinas de ar-condicionado (CRAC – Computer Room Air Conditioner). Vamos, sim, explorar alguns problemas que acontecem entre o ar-condicionado e os computadores. Pois há um fluxo de ar entre esses dois tipos de máquinas: o ar frio fornecido pelo CRAC e que deve ser captado pelo computador; e o ar aquecido pelo computador, que deve retornar ao CRAC para ser resfriado novamente.

Idealmente, é um ciclo fechado, como podemos ver na figura abaixo:

Mas o mundo real está longe da perfeição, e há alguns problemas que afetam esse fluxo, afetando, consequentemente, a eficiência do sistema de refrigeração e, por conseguinte, aumentando seu custo, já que levará a um aumento no consumo de energia por parte dos CRACs.

Podemos dividir esses em três diferentes tipos:

  1. Ar frio desviado
  2. Recirculação do ar quente
  3. Pressão negativa

Ar frio desviado

Neste caso, nem todo o ar resfriado pelo CRAC chega até os computadores. Parte dele se desvia de seu destino e acaba se misturando com o ar quente que retorna ao CRAC, como podemos ver no diagrama abaixo:

Quando isso acontece, menos ar resfriado chega aos computadores, além de diminuir a temperatura do ar que retorna ao CRAC. Uma das consequências é o aumento da temperatura dos computadores, já que não chega ar suficiente para resfriá-los. Para compensar isto, precisamos aumentar a potência das ventoinhas do CRAC, aumentando também seu consumo elétrico.

Outra consequência é a diminuição da temperatura do ar de retorno ao CARC. Como o ar desviado se mistura a esse retorno, sua temperatura acaba ficando inferior àquela do ar que sai dos computadores. Isso diminui a eficiência do CRAC e “engana” o sistema, pois, como o ar chega mais frio, “achamos” que está tudo bem quando, na verdade, poderia até estar ocorrendo algum “hot spot” no data center e nem ficamos sabendo!

O ar frio é desviado quando o fornecemos em locais onde os computadores não poderão captá-lo. Por exemplo, quando colocamos placas de piso perfuradas em locais que não o “corredor frio”, quando deixamos abertos os furos de passagem de cabos atrás dos racks, ou quando o piso elevado não está bem alinhado. Também pode ocorrer quando o ar frio escapa por cima ou pelas laterais do corredor frio sem ser captado pelos computadores.

Piso desalinhado

Furo para passagem de cabos por onde o ar é desviado
Solução para fechamento do furo para passagem de cabos

Este vídeo explica com mais detalhes o ar desviado:

Recirculação do ar quente

Idealmente, todo o ar quente que sai dos computadores deveria retornar ao CRAC. Mas isso nem sempre acontece, e parte dele acaba recirculando pelo próprio computador, entrando novamente por sua captação de ar frio. Consequentemente, a temperatura do ar que entra pelo computador acaba aumentando, o que pode provocar sobreaquecimento, levando a desligamento, diminuição de vida útil e falhas. Isso nos obriga a aumentar a potência de resfriamento do CRAC, aumentando também seu consumo elétrico.

Esse ar quente pode retornar para os próprios computadores por dentro, por cima ou pelas laterais dos racks. Para evitar isso, deve haver uma separação total entre o lado de trás do rack (corredor quente) e o lado da frente (corredor frio). E deve-se atentar para não instalar no rack equipamentos que tenham seu fluxo de ar divergente desse padrão.

Uma boa ideia é sempre instalar placas cegas nas posições não usadas dos racks, e não deixar aberturas entre eles.

Exemplo de tampa cega entre posições ocupadas

Aqui e aqui você pode comprar online tampas cegas para seu rack para evitar a recirculação do ar quente.

Este vídeo explica com mais detalhes a recirculação do ar quente:

Pressão negativa

Abaixo do piso elevado, nas proximidades do CRAC downflow, o ar por ele fornecido ainda está com muita velocidade. E ar em velocidade possui menos pressão que ar parado. E, como sabemos, o ar flui de onde tem mais pressão para onde tem menos. Se colocarmos uma placa de piso perfurada muito perto (a menos de 1,8 m) do CRAC, o ar do ambiente será sugado para baixo do piso, pois ali haverá uma “pressão negativa” (menos pressão abaixo do piso do que acima).

Ao ser sugado, o ar ambiente (mais quente) “contaminará” o ar recém resfriado fornecido pelo CRAC, aumentando sua temperatura. Os efeitos serão semelhantes aos do ar quente recirculado: aumento da temperatura do ar fornecido aos computadores. Para compensar, precisamos “esfriar” ainda mais a sala, gastando mais energia.

O ideal é nunca posicionar as placas de piso perfuradas muito perto dos CRACs. Converse com o projetista do sistema de climatização para ver a distância mínima recomendada.

Este vídeo explica um pouco mais sobre a pressão negativa:

Conclusão

Refrigerar o data center e manter a temperatura dos computadores na faixa ideal é muito mais do que simplesmente ter os CRACs corretamente dimensionados, instalados e operacionais. O fluxo de ar é parte integrante do sistema de climatização do data center, e há muitos detalhes que devem ser observados para que os objetivos do sistema sejam alcançados.

Em outro artigo, falo sobre o confinamento dos corredores do data center, que é uma solução que visa melhorar ainda mais o fluxo de ar entre os CRACs e os computadores. Assista ao vídeo a seguir, sobre confinamento de corredores do data center:

Se achou este post útil, compartilhe, encaminhe a alguém que também possa achá-lo útil. Não deixe de se inscrever em meu canal do YouTube! Participe de meu grupo do Whatsapp e receba as novidades sobre meus artigos, vídeos e cursos. E curta minha página no Facebook!

Até a próxima!

Marcelo Barboza, RCDD, DCDC, ATS, DCS Design, Assessor CEEDA
Clarity Treinamentos
marcelo@claritytreinamentos.com.br

Sobre o autor
Marcelo Barboza, instrutor da área de cabeamento estruturado desde 2001, formado pelo Mackenzie, possui mais de 30 anos de experiência em TI, membro da BICSI e da comissão de estudos sobre cabeamento estruturado da ABNT/COBEI, certificado pela BICSI (RCDD e DCDC), Uptime Institute (ATS) e DCPro (Data Center Specialist – Design). Instrutor autorizado para cursos selecionados da DCProfessional, Fluke Networks, Panduit e Clarity Treinamentos. Assessor para o selo de eficiência para data centers – CEEDA.

Conectorização em cabos de par trançado

A “conectorização”, procedimento também conhecido como “terminação” ou “crimpagem”, é o processo de conexão da extremidade um cabo de par trançado a um hardware de conexão. E o hardware de conexão é, por sua vez, um “componente ou combinação de componentes usados para conectar cabos ou elementos do cabo”, conforme a norma NBR 14565, ou seja, é um patch panel, tomada (conector fêmea – jack) ou plugue (conector macho).

Exemplos de hardware de conexão:

Plugue RJ45
Tomada RJ45
Patch Panel RJ45

Em outras palavras, conectorização é o ato de montarmos o cabo UTP (ou cabo blindado) em uma tomada ou plugue RJ45, ou em um patch panel com portas RJ45. Quando não é em conectores do tipo RJ45, é em blocos (ex.: tipo 110) ou em conectores específicos para as categorias 7, 7A ou 8.2 (ex.: Tera e GG-45).

Bloco Tipo 110
Conectores Tera e GG-45

Tecnicamente, o termo correto para o conector RJ45 é “conector modular de oito posições e oito contatos”, ou simplesmente 8P8C. O termo RJ45, onde RJ significa registered jack – tomada registrada, é um tipo de conector padronizado nos EUA para a conexão de redes telefônicas. O conector RJ45 atual (8P8C) para cabeamento estruturado foi baseado nessa tomada padrão.

A conectorização UTP sempre é realizada com algumas ferramentas, como decapadores de cabos, alicates de corte, ferramentas de impacto (punch down), alicates de “crimpe” ou outros tipos de ferramenta para o auxílio na conexão dos fios. As ferramentas exatas devem ser determinadas pelo fabricante do hardware de conexão. Portanto, é sempre necessário obtermos o manual de instalação do produto do fabricante correspondente.

Porém, antes de qualquer conectorização, temos que determinar qual a configuração de terminação (também conhecido como “pinagem”) que usaremos nas tomadas e plugues. A NBR 14565 reconhece duas configurações (T568A e T568B) para as categorias 5e, 6, 6A e 8.1, e mais duas configurações específicas para as categorias 7, 7A e 8.2 (conforme o tipo de conector utilizado, similares ao Tera ou ao GG-45). Qualquer que seja a configuração escolhida, ela deve ser mantida em toda a instalação.

Cometer um erro na manutenção da configuração de terminação em um enlace pode ocasionar erros de transmissão de rede, dependendo do padrão utilizado.

Aproveite e aprenda muito sobre cabeamento estruturado com este livro que aborda o conceito e os subsistemas de cabeamento estruturado, a normalização, os meios de transmissão, os espaços de telecomunicações e redes, as práticas de instalação, certificação e testes do cabeamento instalado:

Veja este vídeo que fiz sobre um caso real de lentidão na rede ocasionado por erro de pinagem:

Também é essencial conhecermos o código de cores utilizado nos cabos de par trançado de quatro pares:

Número do parCorT568AT568B
1Branco e azul
Azul
5
4
5
4
2Branco e laranja
Laranja
3
6
1
2
3Branco e verde
Verde
1
2
3
6
4Branco e marrom
Marrom
7
8
7
8
Código de cores das pinagens T568A e T568B

Se algum equipamento requerer uma conexão “crossover” (ou outra qualquer), deve-se realizar a troca de posição dos condutores nos patch cords, e não no enlace permanente.

Cuidado na escolha do hardware de conexão correto para o tipo de cabo de par trançado utilizado. Além de verificar se a categoria do conector é a mesma do cabo, verificar a necessidade por blindagem e se o conector é próprio para condutores sólidos (presentes nos cabos “permanentes” ou “horizontais”) ou flexíveis (presentes nos patch cords).

A preparação para a conectorização inclui a decapagem do cabo de par trançado. A quantidade de cabo a ser decapado depende das instruções específicas do fabricante da solução de cabeamento, mas deve sempre permitir um comprimento mínimo de exposição dos pares. Pares muito expostos (entre o término da capa e a entrada do conector) permitem que eles se dobrem ou tenham seu trançamento alterado, afetando o desempenho do canal.

Neste vídeo, mostro como decapar um cabo U/UTP Cat.6A:

Especial atenção deve ser dada às soluções blindadas. Cabos blindados devem sempre ser conectorizados a hardware de conexão blindado, e o processo de decapagem de um cabo blindado deve permitir a exposição de sua blindagem de forma a permitir seu correto contato com a blindagem do conector.

Após a inserção dos pares nos locais apropriados para terminação, deve-se destrançá-los o mínimo possível, e nunca mais do que 13 mm (para as categorias 5e e superiores), conforme a NBR 14565. Usualmente, quanto maior a categoria da solução, menor o destrançamento permitido. O ponto correto de inserção dos pares no conector, seu encaminhamento por dentro dele, e a forma correta de seu destrançamento devem ser dados pelo fabricante desse conector.

Exemplo de montagem de uma tomada categoria 6 do fabricante Panduit:

Exemplo de montagem de uma tomada categoria 6 do fabricante CommScope:

A tomada apresentada acima (SYSTIMAX MGS400), da Categoria 6 (branca), pode ser adquirida neste link: https://afl.b2w.io/aQ71

Independentemente do modelo de conector utilizado, a conexão dos condutores do cabo ao hardware de conexão deve seguir a técnica IDC (Conexão por deslocamento do isolante – Insulation Displacement Connection). Nessa técnica, os condutores não devem ser previamente decapados, o que, além de consumir tempo, permite a exposição do cobre à oxidação, causando problemas de contato no futuro. A técnica IDC faz com que os condutores sejam “empurrados” (com o auxílio de alguma ferramenta) por uma ranhura metálica, que cortará o isolamento e fará o contato elétrico, sem deixar o cobre exposto. Cuidado, pois os contatos IDC para condutores sólidos são diferentes daqueles para condutores flexíveis, como já ressaltado. Diagrama de uma conexão IDC:

A ferramenta correta a ser utilizada para a conexão final dos condutores no hardware de conexão também deve ser informada por seu fabricante. Se for uma ferramenta de impacto (punch down), deve-se consultar com o fabricante do conector qual a força de impacto e ponteira corretos para o modelo de conector utilizado. Abaixo, exemplo de uma ferramenta de impacto com ponteira para conexão IDC tipo 110 e, logo em seguida, vídeo sobre essa ferramenta:

O punch down da Fluke (modelo D914S, com garantia lifetime) pode ser adquirido como parte do kit IS50, neste link: https://afl.b2w.io/aQ83

Geralmente, será necessária a instalação de algum acessório para acabamento do hardware de conexão, como uma tampa de proteção, moldura, trava ou ícone de identificação.

Exemplo de montagem de um patch panel categoria 6 do fabricante Nexans:

O patch panel Categoria 5e da Nexans pode ser adquirido aqui: https://afl.b2w.io/aQ7M

Seja um Profissional de Cabeamento Certificado Nexans fazendo o treinamento oficial totalmente online. Você pode pagar parcelado no cartão de crédito. Faça sua inscrição neste link, preenchendo o formulário, e garanta 5% DE DESCONTO sobre o preço de lista.

Pratique as técnicas mostradas aqui, ou realize uma instalação de cabeamento em uma residência ou pequeno escritório, adquirindo nos links abaixo os principais materiais de categoria 5e:

Não recomendo a crimpagem do plugue RJ45 (macho) em campo para categorias superiores à 5e, mas se precisar, utilize algum alicate bem avaliado, como este aqui: https://amzn.to/3hybyIC. Prefira comprar os patch cords já montados e testados em fábrica.

Depois de montar o rack, uma boa ideia é organizar os feixes de cabos, usualmente de 12 em 12 ou de 24 em 24. Os feixes podem ser amarrados com abraçadeiras, desde que não esmaguem a capa externa dos cabos. Após instalada, a abraçadeira tem que poder deslizar pelo feixe somente com o uso da mão, sem ferramentas. Se ela não se mover facilmente, estará muito apertada. O uso de fitas tipo “velcro” é bem comum para essa finalidade, como essa aqui: https://amzn.to/2THqKet.

Feixes de cabos com velcros

Após a conectorização dos enlaces de uma instalação, é necessário realizar testes para se ter a certeza de que o processo foi feito corretamente, sem prejuízo no desempenho da rede. Equipamentos específicos são utilizados nessa fase, que podem realizar desde simples testes de continuidade elétrica nos pares até testes completos nos parâmetros de transmissão, podendo emitir relatórios de certificação, com a comparação dos resultados a normas selecionadas. Conheça meu curso sobre certificação de cabeamento e o artigo sobre a interpretação do cabeçalho de um relatório de certificação UTP.

Conheça este equipamento da Fluke que realiza testes de certificação em cabos de par trançado e fibra óptica:

Observar o formato externo de tomadas que serão instaladas em espelhos, mobiliário e caixas de piso. Embora as dimensões internas de uma tomada RJ45 fêmea sejam padronizadas, suas dimensões externas não o são. Consultar o fabricante sobre a compatibilidade de encaixe de sua tomada com demais produtos que serão utilizados como suporte. Muitas vezes será necessária a aquisição de suportes ou adaptadores específicos.

Existe o padrão de facto de tomada do tipo “keystone”, e vários fabricantes possuem tomadas compatíveis com esse padrão externo de encaixe. Outros formatos são proprietários, exigindo suportes fornecidos pelo próprio fabricante da tomada.

E como última orientação, ao instalar tomadas RJ45 em espelhos de parede, deve-se posicioná-las de forma que o patch cord se encaixe com sua trava voltada para baixo.

Exemplo de montagem de um plugue RJ45 categoria 6A do fabricante Panduit:

Exemplo de montagem de uma tomada RJ45 categoria 6A do fabricante Panduit:

Se achou este post útil, compartilhe, encaminhe a alguém que também possa achá-lo útil. Não deixe de se inscrever em meu canal do YouTube! Participe de meu grupo do Whatsapp e receba as novidades sobre meus artigos, vídeos e cursos. E curta minha página no Facebook!

Até a próxima!

Marcelo Barboza, RCDD, DCDC, ATS, DCS Design, Assessor CEEDA
Clarity Treinamentos
marcelo@claritytreinamentos.com.br

Sobre o autor
Marcelo Barboza, instrutor da área de cabeamento estruturado desde 2001, formado pelo Mackenzie, possui mais de 30 anos de experiência em TI, membro da BICSI e da comissão de estudos sobre cabeamento estruturado da ABNT/COBEI, certificado pela BICSI (RCDD e DCDC), Uptime Institute (ATS) e DCPro (Data Center Specialist – Design). Instrutor autorizado para cursos selecionados da DCProfessional, Fluke Networks, Panduit e Clarity Treinamentos. Assessor para o selo de eficiência para data centers – CEEDA.

A categoria 8 e o Ethernet a 40 Gb/s

As categorias de cabeamento de par trançado são bem conhecidas, desde a categoria 5e até a 6A. Menos conhecidas são as categorias 7 e 7A, inexistentes nas normas norte-americanas (ANSI/TIA) e pouco utilizadas no país. Mas, e quanto à categoria 8 e o Ethernet a 40 Gb/s para par trançado, já tinha ouvido falar?

Pois é, a categoria 8 de componentes de cabeamento de par trançado já foi normatizada há alguns anos, estando presente tanto nas normas internacionais (ISO/IEC) quanto nas norte-americanas (ANSI/TIA). E, a partir de meados de 2019, também em nossa norma nacional ABNT/NBR 14565 (veja abaixo meu vídeo realizado na época da publicação dessa revisão da norma).

Para saber quais as normas de cabeamento estruturado mais relevantes, leia este artigo.

E qual a finalidade da categoria 8? Permitir aplicações Ethernet de velocidades 25 Gb/s e 40 Gb/s em enlaces de par trançado nas instalações de data centers. No entanto, a Cat.8 é a única que prevê um canal de no máximo 30 metros, diferente das outras categorias, que permitem canais de até 100 metros de extensão.

E tem mais: a Cat.8 prevê um canal de somente duas conexões, uma em cada extremidade, no início e no fim do enlace permanente. O enlace permanente deve ter até 24 metros de cabo com condutores sólidos. O canal de 30 metros é obtido com a conexão de patch cords de até 3 metros em cada extremidade.

Canal categoria 8

Um canal de somente 30 metros seria viável em um data center? Sim, pois a ideia do Cat.8 é a de ser uma opção à fibra óptica em conexões de até 40 Gb/s dentro de uma mesma fileira de racks/gabinetes. A maioria das fileiras tem menos que 30 metros. Então a Cat.8 acaba sendo uma opção de solução mais econômica (quando se leva em consideração também o custo dos equipamentos ativos) para links “intra-fileira”, desde que a velocidade não passe de 40 Gb/s.

Fileira de racks em um data center

A frequência máxima de transmissão de sinais sobre a Cat.8 é de 2000 MHz (ou 2 GHz), o dobro da categoria anterior, a Cat.7A, que é de 1000 MHz. Veja a tabela com todas as frequências suportadas pelas diferentes categorias de componentes:

CategoriaFrequência
Máxima (MHz)
Blindagem
5e100Opcional
6250Opcional
6A500Opcional
7 (ISO)600Sim
7A (ISO)1000Sim
8 (TIA) e 8.1 (ISO)2000Sim
8.2 (ISO)2000Sim
Tabela de categorias e respectivas frequências de sinal

Só que existem alguns “detalhes”… A norma ISO/IEC reconhece duas categorias de componentes: 8.1 e 8.2. A norma ANSI/TIA reconhece apenas a categoria 8, equivalente à categoria 8.1 da ISO. E quais as diferenças? Veja essa tabela abaixo:

Categoria dos componentesCateg. TIAClasse ISOComprimento máximo (m )Qtd. máxima de conexões (*)Tipo de conector
5e5eD1004RJ45
66E1004RJ45
6A6AEA1004RJ45
7F1004Tera/GG45
7AFA1004Tera/GG45
8 (TIA) ou 8.1 (ISO)8I302RJ45
8.2 (ISO)II302Tera/GG45
Tabela de categorias de componentes e canais

Na tabela acima, você vê que as categorias 8 da ANSI/TIA e 8.1 da ISO/IEC utilizam conectores modulares de 8 contatos/8 posições (mais conhecidos como RJ-45), enquanto a categoria 8.2 utiliza os mesmos tipos de conectores que já tinham sido definidos para as categorias 7 e 7A (só que para 2000 MHz), sendo que os principais são o Tera (da Siemon) e o GG45 (da Nexans).

Exemplos de conectores Tera e GG-45

Outra diferença está na blindagem. A blindagem utilizada nos cabos Cat.8 e 8.1 geralmente é do tipo F/UTP ou U/FTP, enquanto a utilizada no 8.2 é do tipo S/FTP ou F/FTP (veja mais sobre os padrões de blindagem em meu vídeo abaixo)

Exemplos de cabos blindados

Um canal construído com componentes da categoria 8.1 é chamado de Classe I pela ISO, enquanto aquele construído com componentes categoria 8.2 é chamado de Classe II. A norma ANSI/TIA chama o canal com componentes Cat.8 também de categoria 8.

O padrão de rede Ethernet para 40 Gb/s em par trançado é o 40GBASE-T, enquanto o padrão para 25 Gb/s é o 25GBASE-T, ambos definidos na norma IEEE 802.3bq-2016, e utilizam todos os quatro pares do cabeamento (para saber mais sobre a nomenclatura utilizada para as interfaces Ethernet, veja este meu vídeo abaixo). Nesta página eu relaciono os padrões Ethernet sobre fibra óptica e par trançado e respectivas mídias físicas necessárias.

Todos os principais fabricantes de cabeamento já possuem soluções Cat.8, mas sua utilização ainda é bem restrita.

Eu fiz um vídeo sobre a Cat.8 e o 40GBASE-T. Confira:

Para saber mais sobre as categorias de cabos e os parâmetros de transmissão que os definem, confira meu curso SCE331.

Se achou este post útil, compartilhe, encaminhe a alguém que também possa achá-lo útil. Não deixe de se inscrever em meu canal do YouTube! Participe de meu grupo do Whatsapp e receba as novidades sobre meus artigos, vídeos e cursos. E curta minha página no Facebook!

Até a próxima!

Marcelo Barboza, RCDD, DCDC, NTS, ATS, DCS Design, Assessor CEEDA
Clarity Treinamentos
marcelo@claritytreinamentos.com.br

Sobre o autor
Marcelo Barboza, instrutor da área de cabeamento estruturado desde 2001, formado pelo Mackenzie, possui mais de 30 anos de experiência em TI, membro da BICSI e da comissão de estudos sobre cabeamento estruturado da ABNT/COBEI, certificado pela BICSI (RCDD, DCDC e NTS), Uptime Institute (ATS) e DCPro (Data Center Specialist – Design). Instrutor autorizado para cursos selecionados da DCProfessional, Fluke Networks, Panduit e Clarity Treinamentos. Assessor para o selo de eficiência para data centers – CEEDA.

Balanço de potência óptica

Escrevi em outros artigos sobre o balanço de perda óptica e seu cálculo. Mas existe um conceito muito parecido, que acaba causando confusão com o anterior, que é o do “balanço de potência óptica”. Neste artigo, vamos falar sobre ele, e como ele se diferencia do balanço de perda.

Ao final do artigo, links para vídeos meus sobre este assunto.

Só para recordar, o “balanço de perda óptica” é um cálculo realizado para estimar qual será a atenuação total de um enlace em fibra óptica antes mesmo de ser instalado. Já o “balanço de potência óptica” é um cálculo realizado para se conhecer a quantidade mínima e máxima de potência que poderá (ou deverá) ser perdida durante a transmissão.

O balanço de perda é específico para os tipos de equipamentos de transmissão e recepção (transceivers) que serão utilizados. Portanto, para realizar esse cálculo é absolutamente necessário saber quais os modelos exatos dos transceivers que serão empregados em determinada instalação.

As características dos equipamentos que precisam ser conhecidas são:

  • Potência do transmissor
  • Sensibilidade do receptor
  • Faixa dinâmica do receptor

Esses valores são tipicamente expressos em “dBm”. O dBm é uma unidade de medida que expressa a potência absoluta mediante uma relação logarítmica (em decibéis) com base em 1 mW. Ou seja, 0 dBm equivale a 1 mW. Como exemplo, 30 dBm representa uma potência 30 dB superior a 1 mW, ou seja, 1.000 mW, ou 1 W. Em mais um exemplo, -10 dBm representa uma potência 10 dB inferior a 1 mW, ou seja, 0,1 mW, ou 100 µW.

O cálculo do balanço de potência é simples: subtraímos a sensibilidade do receptor da potência do transmissor para saber o quanto de potência podemos perder durante a transmissão sem que haja uma diminuição significativa na sua qualidade (expressa pela “taxa de erro de bit”, ou BER).

Exemplos:

  • Equipamento com potência de transmissão de 10 dBm e sensibilidade do receptor de 2 dBm.
    Balanço de potência = 10 dBm – 2 dBm = 8 dB.
    Ou seja, o canal passivo de transmissão (enlace óptico completo) pode apresentar atenuação de até 8 dB sem que haja degradação de qualidade
  • Equipamento com potência de transmissão de -5 dBm e sensibilidade do receptor de -20 dBm.
    Balanço de potência = -5 dBm – (- 20 dBm) = 15 dB.
    Ou seja, o canal passivo de transmissão (enlace óptico completo) pode apresentar atenuação de até 15 dB sem que haja degradação de qualidade.

Mas não devemos nos esquecer da faixa dinâmica do receptor. Ela nos informa os valores mínimos e máximos de potência que devem ser recebidos para que o equipamento interprete os sinais recebidos corretamente.

Se um receptor possui sensibilidade de -20 dBm e faixa dinâmica de 15 dB, isso significa que ele aceita sinais com potência entre -20 dBm e -5 dBm (ou seja, -20 + 15). Se ele receber um sinal com potência superior a -5 dBm, também haverá degradação na qualidade, e poderá ocorrer até mesmo a queima do receptor. Por exemplo, se a potência do transmissor for de -2 dBm, além de saber que a atenuação máxima deve ser inferior a 18 dB (-2 – (-20)), também saberemos que a atenuação mínima do canal deverá ser de 3 dB (-2 -(-5))! Se o enlace óptico não possuir atenuação igual ou maior que 3 dB, também haverá degradação da qualidade da transmissão, com aumento do BER.

Se quiser entender melhor sobre db e dBm antes de continuar a ler o artigo, assista esse vídeo:

Entenda dB e dBm

Isso ocorre com frequência em equipamentos de transmissão de longa distância, que possuem alta potência de transmissão e ata sensibilidade do receptor, pois devem contar com enlaces de diversos quilômetros de fibra óptica, com diversas emendas. Nesses casos, quando queremos testar os equipamentos em uma bancada, e vamos conectá-los apenas com um patch cord, corremos o risco de até queimar o receptor, tamanha será a potência recebida. Para isso, devemos usar atenuadores, dispositivos que introduzem uma perda proposital no enlace a fim de não “inundar” o receptor com uma potência que esteja fora de sua faixa dinâmica.

Como vimos, o resultado do balanço de potência nos dá a atenuação máxima que o canal óptico passivo pode apresentar para que o equipamento de rede funcione a contento. E é agora que entra o outro cálculo, o do “balanço de perda óptica” que vimos nos outros artigos. Sabendo do balanço de potência, temos que projetar um enlace que apresente um balanço de perda inferior ao balanço de potência do equipamento.

Ao utilizar o valor do balanço de perda, não devemos deixar de incluir previsões para manutenções futura, além de uma margem de segurança.

Exemplos:

  • Enlace composto por 20 km de fibra monomodo OS2 terminada em ambas as extremidades dentro de distribuidores ópticos (DIO) através da fusão de pigtails, cujos conectores serão acoplados na parte interna dos adaptadores frontais do DIO; haverá uma fusão no meio da rota; prever duas fusões para manutenção futura. Equipamento com potência de transmissão de 10 dBm e sensibilidade do receptor de -5 dBm:
    1. Perda da fibra óptica: 20 km X 0,4 dB/km = 8,0 dB
    2. Perda das conexões: 2 X 0,75 dB = 1,5 dB
    3. Perda das emendas: 3 X 0,3 dB = 0,9 dB
    4. Previsão de perda das possíveis emendas futuras: 2 X 0,3 dB = 0,6 dB
    5. Margem de segurança: 1 dB
    6. Balanço da perda (1310 nm e 1550 nm): 8,0 + 1,5 + 0,9 + 0,6 + 1,0 = 12,0 dB
    7. Balanço da potência: 10 – (-5) = 15 dB
    8. Conclusão: projeto correto, pois ainda há uma margem de 3 dB (15 – 12) entre o balanço da potência e as perdas projetadas do enlace óptico.
  • Enlace composto por 30 km de fibra monomodo OS2 terminada em ambas as extremidades dentro de distribuidores ópticos (DIO) através da fusão de pigtails, cujos conectores serão acoplados na parte interna dos adaptadores frontais do DIO; haverá duas fusões no meio da rota; prever duas fusões para manutenção futura. Equipamento com potência de transmissão de 5 dBm e sensibilidade do receptor de -10 dBm:
    1. Perda da fibra óptica: 30 km X 0,4 dB/km = 12,0 dB
    2. Perda das conexões: 2 X 0,75 dB = 1,5 dB
    3. Perda das emendas: 4 X 0,3 dB = 1,2 dB
    4. Previsão de perda das possíveis emendas futuras: 2 X 0,3 dB = 0,6 dB
    5. Margem de segurança: 1 dB
    6. Balanço da perda (1310 nm e 1550 nm): 12,0 + 1,5 + 1,2 + 0,6 + 1,0 = 16,3 dB
    7. Balanço da potência: 5 – (-10) = 15 dB
    8. Conclusão: projeto incorreto, o enlace óptico projetado pode apresentar perda acima do tolerado pelo equipamento previsto.

Equipamentos de rede Ethernet já possuem tabelas que mostram o balanço da perda alocada para o enlace óptico, assim não precisamos realizar esse cálculo, basta consultar as tabelas publicadas no padrão IEEE 802.3. Como exemplo, a tabela abaixo mostra a perda máxima alocada para o canal óptico para os padrões Ethernet sobre fibra óptica entre as velocidades de 10 Mb/s e 1 Gb/s:

Padrão FibraComprimento de onda (nm) Perda máx. do canal (dB)
10BASE-FL OM1 850 12,5
100BASE-FXOM1 1300 11
1000BASE-SX OM2 850 3,56
1000BASE-LX OM2 1310 2,35
1000BASE-LX SM 1310 4,57
Tabela: Requisitos para alguns padrões de rede Ethernet


Saiba mais sobre o balanço de perda óptica no curso SCE335, e sobre os padrões Ethernet no curso SCE381. Ao final de cada curso, você poderá baixar materiais de referência, realizar avaliações e, se for bem nelas, ainda receberá certificados de conclusão!

Complemente o conhecimento com meus vídeos abaixo, sobre o cálculo do balanço de perda e potência óptica:

Orçamento de potência óptica
Cálculo do balanço ou orçamento de perda óptica (optical loss budget)

Se achou este post útil, compartilhe, encaminhe a alguém que também possa achá-lo útil. Não deixe de se inscrever em meu canal do YouTube! Participe de meu grupo do Whatsapp e receba as novidades sobre meus artigos, vídeos e cursos. E curta minha página no Facebook!

Até a próxima!

Marcelo Barboza, RCDD, DCDC, ATS, DCS Design, Assessor CEEDA
Clarity Treinamentos
marcelo@claritytreinamentos.com.br

Sobre o autor
Marcelo Barboza, instrutor da área de cabeamento estruturado desde 2001, formado pelo Mackenzie, possui mais de 30 anos de experiência em TI, membro da BICSI e da comissão de estudos sobre cabeamento estruturado da ABNT/COBEI, certificado pela BICSI (RCDD, DCDC), Uptime Institute (ATS) e DCPro (Data Center Specialist – Design). Instrutor autorizado para cursos selecionados da DCProfessional, Fluke Networks, Panduit e Clarity Treinamentos. Assessor para o selo de eficiência para data centers – CEEDA.